Coritiba faz o seu melhor jogo do ano e vence o Atlético na Arena da Baixada


Atlético e Coritiba jogaram pela 10ª rodada do Campeonato Paranaense de 2016 neste último domingo (20), na Arena da Baixada. O primeiro Atletiba de 2016 e com o gramado sintético. Fato que não atrapalhou o bom embate entre as duas equipes, principalmente para o escrete alviverde que conseguiu ser superior e matar o jogo no segundo tempo, com Thiago Lopes e Juan.
Por Rafael Buiar

Com o Coritiba pressionado após resultados negativos em partidas anteriores na competição, o time do Atlético entrou em campo bem mais leve que o adversário. Ou seja, sem pressão. Mas quando se trata de clássico, não podemos seguir este parâmetro. Clássico é clássico, né meus amigos? Com bola rolando, o time da casa atacou primeiro com Vinícius, que recebeu na lateral direita e cruzou para Walter. O camisa 18 deu um leve desvio para trás, mas o suficiente para atrapalhar Pablo que estava sozinho no meio da área para concluir. Fato que animou a torcida atlética. Mas, a animação não durou por muito tempo, pois a primeira grande chance de gol foi do time visitante. Carlinhos recebeu do sistema defensivo e cruzou na medida para Negueba cabecear, mas do outro lado o arqueiro Weverton fez ótima defesa e manteve o placar fechado, com 6’. Tirando o grito de "uh" da torcida adversária.

Com o lance de perigo, o time do Coritiba cresceu no embate e passou a utilizar mais os flancos, com Carlinhos e Ceará, principalmente. Percebendo isso, o time do Atlético apertou ainda mais a marcação. Por isso, as jogadas foram mais firmes e o primeiro amarelo saiu para Vinícius, que chegou forte demais em Alan Santos. Mesmo assim, o time do Coritiba teve mais posse de bola neste período do embate e aos poucos foi arriscando. Do outro lado, o escrete do Atlético não conseguiu criar jogadas de ataques, já que a maioria foi travada pelo sistema defensivo verde e branco, principalmente com Luccas Claro.


Depois de uma oportunidade desperdiçada por Kleber, que chutou deitado, o jogo voltou a esquentar com algumas discussões de ambas as equipes e tecnicamente esfriou. Mas, mesmo assim, quem teve mais volume de jogo foi o Coritiba, enquanto a equipe Atleticana chegou pouco na meta do goleiro Wilson. As principais jogadas da equipe da casa saíram dos pés de Walter, que mesmo marcado conseguiu ganhar algumas divididas. Mas, não o suficiente para abrir o placar.  Nos minutos finais, o embate ficou preso no meio de campo e com várias faltas para os dois lados. Devido a isso, o placar persistiu fechado nos primeiros 45’.

SEGUNDO TEMPONo retorno para a etapa complementar, os dois treinadores não fizeram alterações em suas equipes. Mas, nos primeiros minutos, o escrete do Atlético voltou um pouco melhor que o 1º tempo e teve mais volume de jogo. Mas, aquela posse sem objetividade. Ou seja, sem perigo de gol. Do outro lado, um Coritiba atento nos contra-ataques e esperando o momento certo de dar o golpe. Observando isso, o treinador Paulo Autuori fez a primeira mudança na equipe rubro-negra. Sacou o camisa 10, Marcos Guilherme, e colocou outro menino, Giovany. A intenção foi de dar mais mobilidade no meio de campo, com a criação do camisa 32, que vem ganhando espaço nos últimos jogos. Minutos depois, Gilson Kleina fez o mesmo na equipe do Coritiba. Sacou Dudu, e colocou outro da base, Thiago Lopes. O mesmo também vem ganhando o seu espaço na equipe alviverde.

Depois dos troca-trocas dos guris da base de ambas as equipes, o escrete do Coritiba ganhou mais nas ações ofensivas. Ou seja, o gol era questão de momento. Fato que obrigou o treinador Paulo Autuori colocar outro atacante na sua equipe. O cara da vez foi o artilheiro do Atlético em 2016, o atacante André Lima. Mas quem abriu o marcador na Arena da Baixada foi o escrete do Coritiba, com jogada iniciada por Negueba no setor defensivo. O camisa 7 acertou um cruzamento na medida para o guri que havia entrado há poucos minutos, Thiago Lopes, que só teve o trabalho e fazer pose no cabeceio do gol, sozinho, aos 28’.


Com o gol sofrido, a equipe do Atlético até que tentou chegar mais vezes na meta de Wilson. Mas com um sistema defensivo bem postado, pouco pôde fazer o ataque rubro-negro. Pior, minutos depois o Vinicius do Coritiba é derrubado fora da área e o árbitro deu pênalti. Juan, que não é bobo, pegou a bola para cobrar. O meio campista cobrou e marcou o segundo no clássico, aos 37’. 

Pronto, não precisou de mais para a torcida do Atlético ficar injuriada e gritar “Time de pipoqueiro”. Nos minutos finais, o time visitante administrou trocando passes, enquanto a torcida alviverde gritava “olé, olé...”. Fato que fez o André Lima chegar forte no adversário. Não deu outra, o atacante já havia entrado com o cartão amarelo, por um ato de indisciplina na primeira etapa, levou outro e foi pra rua. Com um a menos, o escrete rubro-negro pouco pode fazer para recuperar no placar e muito menos a derrota na Arena da Baixada, mesmo com 5’ de acréscimo, para a frustração da equipe do Atlético.

CONFIRA OS MELHORES MOMENTOS



PRÓXIMA RODADA - O escrete do Coritiba irá desafiar em casa a equipe do Maringá no próximo domingo (27). Diferente do Atlético, que irá até o 14 de Dezembro, em Toledo, enfrentar o TCW no mesmo horário, às 16h. Com a vitória, o time alviverde ultrapassou o Atlético e ficou na terceira colocação, com um ponto a mais que o rival e quatro a menos que líder, o Jotinha.


__________________________________________

NÃO É autorizada a livre circulação dos conteúdos desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso.