YAN, o destaque da Suburbana 2015


A Suburbana 2015 teve seu término no último sábado (5), com a equipe do Trieste como a campeã e o escrete do Novo Mundo como vice, no Estádio Egídio Ricardo Pietrobelli, em Santa Felicidade. Dentre os atletas que estiveram presentes nas duas finais em ambas as equipes, Barreto e Victor Hugo (Trieste) e Matheus Bueno e Ferreirinha (Novo Mundo) foram destaques durante o certame, mas não o suficiente para apagar o brilho de um camisa 10, abusado e com fome de gol. Estou falando de Yan, que mesmo fora da final conseguiu ser o artilheiro da Suburbana 2015 – categoria Juvenil. Confira a entrevista que o Do Rico ao Pobre fez com o jovem meia de 17 anos, que tem sonho de gente grande.

#ENTREVISTA
Por Rafael Buiar

Ainda tem quem diz que o futebol amador de Curitiba não leva a lugar nenhum, não dá cancha para o atleta e outras premissas negativas. Mas normalmente quem fala isso não vive e não conhece a Suburbana, o nosso futebol. Pensamentos como esses são totalmente diferentes na cabeça do camisa 10 do Operário Pilarzinho, Yan Marcene. “A Suburbana me fez crescer muito, pois é um campeonato longo e exige bastante do atleta para manter uma regularidade. E no Operário Pilarzinho, não conseguimos ter muitos treinos, e isso exigiu de mim um comprometimento maior em manter minha forma física para sempre jogar em alto nível”, analisa o meia.

Se esse fosse o único "problema", o meia de 17 anos estava tranquilo e quis utilizar desses empecilhos como motivação. Dentre eles, um é a distância da sua casa com o local dos jogos, que mesmo morando em outra cidade, em Pinhais, Yan conseguiu se destacar dentre tantos outros atletas da Suburbana. Em relação a isso, com a persistência, o camisa 10 em breve irá sentir o retorno deste trabalho. “No meio da competição tive que parar de treinar para começar a trabalhar, pois minha família estava enfrentando muitas dificuldades. Muitas pessoas disseram que eu não ia conseguir, que era pra desistir, mas meu sonho sempre falou mais alto e por mais que as dificuldades fossem grandes, a minha vontade é maior que tudo isso. E são as dificuldades que também me motivam, pois nunca tive nada fácil, e sei que não vai ser fácil, mais eu vou conseguir. E esse troféu que ganhei de artilheiro foi para coroar todo esforço, e sei que ainda não acabou por aqui”, exalta Yan.

Uma das inspirações do moleque para ter forças e seguir com o sonho, sem a rotina diária dos treinamentos, é o exemplo em outros atletas. Neste caso, o meia procura se espelhar em alguns atletas do cenário profissional. Mas dentre os seus favoritos, o meia destaca um que atualmente está jogando nos Estados Unidos. “Sempre me inspirei no Kaká, um jogador humilde, que enfrentou os mesmos problemas que eu enfrento hoje, para realizar seu sonho, e nem por isso desistiu. Hoje não está nos seus melhores momentos, mais é um cara que tem características parecidas comigo, e apesar de tudo, conseguiu ser o melhor do mundo. E se ele conseguiu porque eu não posso também?”, esclarece Yan.


O outro porto seguro do jogador é um dos pilares mais forte de se apoiar, a família. No caso do Yan não é diferente, a motivação do guri vem e fora das quatro linhas e que o ajudaram nos momentos mais difíceis. “Neste ano minha mãe foi em todos os jogos, meu pai sempre que podia estava lá também. E lembro-me das palavras da minha mãe antes de eu entrar em campo na primeira rodada: “Você vai fazer a diferença, esse ano o troféu de artilheiro é seu e ninguém tira de você”. E minha família é a grande responsável pelo campeonato que fiz, pelo esforço de meus pais para sempre poder estar junto me apoiando, se desdobrando, e muitas vezes tirando deles para pode comprar uma chuteira, por mais simples que fosse. Mas eu sabia que era de coração e para ver o sorriso no meu rosto”, desabafa Yan.

Com essa força de fora dos campos, o meia conseguiu desempenhar um excelente ano e apresentou um bom futebol no Operário Pilarzinho, mesmo com a equipe não chegando as finais. Mas além do bom futebol, Yan conseguiu marcar 16 gols e com isso consagrou-se o artilheiro da Suburbana 2015 – Juvenil. Sabemos que a posição do camisa 10 não tem como prioridade marcar gols, sim, armar as jogadas, servir seus companheiros.


Pois é, talvez essa afirmação seja de tempo atrás, já que o futebol de hoje é dinâmico e não pode se limitar em poucas características. Temos o exemplo do argentino Messi, que além de servir seus companheiros, volta e meia é artilheiro dos campeonatos em que participa. Além dessas características, Yan também é Baixinho e com habilidade e relata a sensação que é ser o maior marcador de uma competição. “Eu já tinha ganhado como Melhor Jogador do Ano em 2012, mas como artilheiro é a primeira vez. É uma sensação incrível, pois desde a primeira rodada eu tinha o objetivo de ser o artilheiro, Deus me abençoou e pude realizar mais esse sonho. E espero que seja o primeiro de muitos”, comemora o artilheiro.

Em alusão com o certame passado, Yan enaltece a campanha de 2015 que mesmo sem levantar o caneco, o ano foi positivo. Mas o meia lamenta por parte dos organizadores o confronto diante o Novo Mundo nas semifinais. “O Pilarzinho fez uma campanha incrível, infelizmente não conseguimos o título porque pecamos em alguns jogos. A meu ver tínhamos um time para ser campeão, mas acabamos perdendo para nós mesmos. Mas isso não apaga o bom campeonato que fizemos. Em minha opinião não houve bom senso por parte dos organizadores da competição, pois ao longo do campeonato foram cinco confrontos com o Novo Mundo e a meu ver não podíamos se enfrentar nas semifinais por sermos do mesmo grupo. E acredito que pela campanha que as duas equipes fizeram, seria uma final digna entre Operário Pilarzinho x Novo Mundo”, analisa o camisa 10.

Dentre os cinco confrontos com o Novo Mundo, teve um que teve um sabor especial e está na memoria do jovem Yan. “O jogo mais inesquecível para mim foi o nosso confronto contra o Novo Mundo, onde o placar foi de 6 x 6. Um jogo em que abrimos 3 gols de diferença e o Novo Mundo correu atrás e conseguiu virar para 4 x 3. Mais com muita determinação e vontade, nós do Pilarzinho, mesmo fora de casa, conseguimos nos recuperar e virar novamente para 5 x 4. Mas como, a meu ver, essas duas equipes foram as melhores do campeonato, o Novo Mundo conseguiu virar para 6 x 5. E aos 43’ do segundo tempo eu tive a responsabilidade de bater o pênalti que decretou o placar final, 6 x 6. De longe para mim o jogo mais inesquecível, onde tive a oportunidade de marcar 2 gols” comenta Yan.

Confira os gols narrado por Dudu Nobre, o narrador malemolente :



Depois de um 2015 maravilhoso para o camisa 10 do Pilarzinho, 2016 promete ser com mais dedicação, segundo o meia. “O meu objetivo é ser reconhecido. Por enquanto não tive nenhum contato com nenhum clube, mas vou continuar trabalhando firme para 2016 ser melhor do que 2015” relata o camisa 10 do Pilarzinho. 

Nome completo: Yan Gabriel Marcene de Souza
Idade: 17 anos
Posição: Meia/Atacante
Clubes que já jogou: AABB/Curitiba; Clube Atlético Paranaense; Circulo Militar; Combate Barreirinha; CFA/Lipatin Sports; Operário Pilarzinho.

__________________________________________
É autorizada a livre circulação dos conteúdos desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, 
desde que citada a fonte.