Nego, o destaque da partida entre Trieste e Vila Fanny



Trieste e Fanny fizeram um jogo muito fraco tecnicamente no último dia sete. O tricolor da colônia precisava vencer para garantir seu passaporte aos mata - matas. Mas esbarrou em um conjunto com vontade e bem montado pela mente pensante de Nego.
Por Dudu Nobre

Os números mostram a aplicação do time. O Fanny foi a defesa menos vazada da segunda fase com cinco gols sofridos. O grande problema é o ataque, que só marcou cinco gols. Nesse cenário, a tendência é do time empatar muito. E assim aconteceu.

O Vila empatou três dos seis jogos. E precisava justamente da igualdade para se classificar, visto que no outro jogo um matava o outro. Como em um jogo de xadrez, Nego postou os peões Arthur e Valdir - responsáveis pelo primeiro combate -  para defender a casamata do goleiro Nilis, que seria o Rei. Magu e André fariam o papel dos cavalos, que transitam entre as peças e áreas do jogo. Tudo isso para fazer a bola chegar a Juliano e Alex, que seriam as torres por terem a missão de avançar na vertical.

A tática não poderia ser melhor. O setor de criação do Trieste não assustou. E o alvirrubro ainda fez o goleiro Diego Molina trabalhar.  Xeque Mate no tricolor. Vila classificado e, quem diria, por UM ponto. Teria o time da BR afinidade com o número 1? Só o futuro dirá.

O que sabemos é que Nego é o figurinha dessa rodada. Confira o desabafo do comandante alvirrubro.


__________________________________________
É autorizada a livre circulação dos conteúdos desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso,
desde que citada a fonte.