Nenê garante a vitória do Trieste no Renovicente e renasce as chances de classificação



Tudo ou nada, esse foi o lema do Trieste para a 4ª rodada da segunda fase da Suburbana 2015, com o Renovicente, que foi com desfalque, no Estádio Francisco Muraro, em Santa Felicidade. Ou seja, para a equipe da Colônia só a vitória interessava para ter continuidade no certame. Dito e feito, com maior posse de bola e muitas finalizações, o time do Trieste teve mais 'tesão' de ganhar o jogo e conseguiu com o gol de Nenê. A vitória deu mais animo para o Trieste para o restante do campeonato e coloca um sinal de alerta no escrete do Renovicente.

Por Rafael Buiar

De um lado um clube com a tensão lá em cima e do outro um clube mais descontraído, mas sem deixar de lado a concentração. Argumentos que já deu premissas que o embate seria muito brigado. Ou seja, sem bola perdida. Fato que podemos observar desde o apito inicial do árbitro Gustavo Nogas. A equipe visitante deu o ponta pé inicial e já tratou de atacar pelos flancos. Mas o confronto, desde os iniciais já teve marcação forte, o que originou muitas faltas neste período de jogo. Porém, o fato inusitado que ocorreu no início do embate foi a lesão do meia Assuero da equipe do Reno, que no primeiro minuto de jogo sentiu o joelho, sozinho.

Passado os minutos iniciais, o escrete do Trieste melhorou ainda mais a marcação e a posição no meio de campo. Com isso, o time da Colônia teve mais volume de jogo. Mas no contra-ataque do time adversário, o camisa 11, João Paulo, desceu em velocidade e lançou para Douglinhas, que bailou na frente de Buiu e chutou forte no canto de Molina que buscou e rebateu na área. No rebote, Didi dividiu com Foguinho, atrasado, e caiu dentro da área. Lance que o time do Santa Cândida reclamou por Gustavo Nogas não ter marcado pênalti.

Na sequência, o time da casa respondeu com a jogada de Foguinho, pelo lado direito, que terminou com a conclusão de Nathan, que passou perto da meta do arqueiro Arthur. Esse lance acordou o time visitante, novamente com Douglinhas. Mas dessa vez, parado com falta próxima da área, que William não aproveitou. No decorrer do embate, ambas as equipes trocaram passes , sempre procurando o gol. Ou seja, o embate bem aberto e com jogadas de contra-ataque. 


Dentre os 22 jogadores que estavam no gramado do Estádio Francisco Muraro, um foi bastante acionado a partir da metade do primeiro tempo. O meio ofensivo do Trieste, Erivélton, conhecido como Foguinho. Na primeira tentativa, o meia ganhou na velocidade e na persistência entre os zagueiros do Renovicente e deitado tocou para Nathan, que chutou forte. Porém, a bola desviou na zaga e foi para a lateral. O outro lance teve origem da lateral direita, com Buiu, que cruzou na área. O grandalhão Nathan recebeu e já tocou para Foguinho, que ajeitou para Giovani chutar perto a meta do goleiro Paulo. 

Pressão do Trieste. Minutos depois, o camisa 7 da equipe de Santa Felicidade, desistiu de passar para os seus companheiros e arrematou em gol. Desde então, Foguinho teve pelo menos 3 chances para abrir o placar, em jogadas criadas, principalmente, pelos flancos. Enquanto isso, a equipe visitante, bem postada defensivamente, jogou com a tática que o levou até a segunda fase do certame, o contra-ataque. Nos minutos finais, a equipe da casa teve mais volume de jogo. Mas não o suficiente para abrir o marcador. Com isso, o time visitante acuou e garantiu o empate nos primeiros 45’.

SEGUNDO TEMPOO embate reiniciou com mudanças em ambas as equipes. No time da casa, o treinador Feijão optou por colocar mais mobilidade no ataque, com a entrada do artilheiro da Taça Paraná de 2015, Thiago Camargo. Já no escrete visitante, o zagueiro Lila saiu lesionado, para a entrada de Leandro. Com o troca-troca das duas equipes, o time da casa respondeu de imediato e ficou com o time mais ofensivo. Sendo assim, as primeiras oportunidades da segunda etapa aconteceram em jogadas de escanteios. Dos três escanteios, dois assustaram a meta do goleiro Paulo. Mas a grande oportunidade do início do segundo tempo saiu dos pés do camisa 11 do Trieste, Nathan, que aproveitou a sobra do bate rebate entre o goleiro e o zagueiro do Renovicente. Mas o atacante acabou chutando, fraco, para fora do gol. Alivio para equipe visitante. O outro atacante do Trieste, Thiago Camargo, também quase marcou nos primeiros minutos da segunda etapa. O camisa 15, pegou o rebote e chutou forte no canto esquerdo de Paulo, que fez ótima defesa.


Com os primeiros minutos de um time atacando apenas, a equipe do Renovicente fez a terceira substituição. Saiu João Paulo e entrou outro atacante, Gabriel. A substituição até que deu resultado, pois nos minutos finais, Gabriel e Caron sofreram falta próxima da área. Na bola parada do Renovicente, William é o cara. A primeira o goleiro Diego Molina foi obrigado a fazer ótima defesa para aliviar o perigo, já a segunda o lateral do Renove acertou em cheio a trave. Tirando o Uh, da torcida do bairro do Santa Cândida. 

Mas a pressão do time visitante foi apenas com a bola parada, pois minutos depois o embate caiu de produção e ficou preso no meio de campo. Percebendo isso, o treinador Feijão colocou o meia Nenê no embate. De principio, o meio campista não entrou bem partida, pois errou vários passes. Matando o contra-ataque da equipe da casa. Ou seja, deixando ainda mais aflitos os torcedores que estavam presentes no Francisco Muraro. Mas do outro lado, o lateral William, o motorzinho do Renovicente, puxou em contra-ataque o time visitante e cruzou na medida para Douglinhas, que dominou com calma para tirar do zagueiro e concluir no ângulo. Mas o arqueiro Diego Molina foi buscar, com uma ótima ponte, aos 30’.

Após ótima defesa do goleiro do Trieste, o time da casa foi para o ataque. Foguinho iniciou a jogada na esquerda e tocou em profundidade para Nathan que chutou forte no gol de Paulo. O camisa 1 do Renovicente defendeu parcialmente e no rebote Nenê colocou o pé na forma e acertou no canto direito, sem chances para Arthur. Na comemoração, Nenê extravasou e tirou a camisa e levou cartão amarelo. 

Minutos depois, novamente, William colocou a bola na trave com o tiro direto. Mas quem disse que essa seria a última bola na trave do gol do Trieste, esteve enganado. Aos 39’, William cruzou na medida para Ivan, que subiu mais que a zaga triestina e acertou em cheio o pezinho da trave esquerda de Molina. Na sequência, a zaga afastou o perigo, isolando a bola. Mas não parou por ai, novamente ele, Wiliiam, o home da bola parada, cobrou a quinta falta com perigo. Mas a tarde foi mesmo do camisa 1 do Trieste, pois o goleiro fez outra ótima defesa, garantindo o placar de 1 a 0 até os 49’.


XXXXXXXXXXXXXXXX OS ESCRETES XXXXXXXXXXXXXXXXXX

TRIESTE: Diego Molina; Buiu, Luciano (Nenê), Edson e Vitor; João Victor (Alex), Amarildo, Foguinho e Giovani (Thiago Camargo); Alan (Capanema) e Nathan. Treinador: Feijão.

RENOVICENTE: Paulo; William, Lila (Leandro), Ivan e Raul; Bruno, Douglinhas (Magno), Assuero  (Carlão/Gabriel) e Didi; Felipe Caron e João Paulo. Treinador: Rossano.

Gols: Nenê aos 32' do 2º tempo (Trieste)

Cartão amarelo:  João Victor, Nenê e Edson (Trieste) e Raul e Magno (Renovicente)

XXXXXXXXXXXXXXXX PRÓXIMA RODADA XXXXXXXXXXXXXXXXXX
Na próxima rodada, a equipe do Trieste jogará no Estádio Maurio Fruet, com Santa Quitéria. A equipe do treinador Leandro Chibior venceu o líder do grupo em casa, de 2 a 0 na última partida. Já o time do Renovicente irá jogar mais uma vez fora de casa. Dessa vez, o time do Santa Cândida irá enfrentar o Vila Fanny, que vem de derrota para o Quitéria. Mesmo assim, ainda é o líder do grupo.
__________________________________________
É autorizada a livre circulação dos conteúdos desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, 
desde que citada a fonte.