Em meio a crise, Santa Quitéria não sai do zero contra o Bangu


Na tarde desse sábado (01), o Maurício Fruet foi palco de um confronto entre dois times que viviam momentos diferentes, mesmo que separados por três pontos na tabela. O Santa Quitéria entrou pressionado: em quatro rodadas, não havia vencido nenhuma. O Bangu tinha a chance de colar no pelotão de cima com um triunfo. A expectativa era de um jogo movimentado nos dois setores ofensivos. Isso até a bola rolar...
Por Dudu Nobre

O primeiro tempo foi de um time só. Pressionado pela má campanha o Quitéria buscou o gol, mas as primeiras chances claras só apareceram aos 11’. Fernandinho chutou e um desvio na marcação banguense obrigou Ricardo a espalmar pra escanteio. Na cobrança, Róbson cabeceou e o goleiro defendeu novamente.

Aos 14’ Chuva cobrou falta, Ricardo saiu mal e Balói, dentro da área, chutou pra fora. A blitz auriverde terminou aos 19’ quando, depois de jogada pela direita, Róbson para novamente no arqueiro rubro-negro. O primeiro lance de destaque do Bangu aconteceu no banco de reservas. O time ficou 21 minutos sem técnico até que o atrasado Jeferson chegou para orientar a equipe.

Não adiantou em curto prazo. Aos 30’, nova chance para o time da casa: em bola rasteira na área Ricardo espalmou no pé de Julianinho, que chutou em cima do goleiro. Aos 42’ Dedé cobrou falta, mas o camisa um banguense estava esperto pra evitar. Só nos acréscimos que os visitantes chegaram à área rival com Romarinho – aos 46’ jogou nas mãos do goleiro e aos 47’ achou que estava impedido e atrasou pra Jonas.

Fim de papo no primeiro tempo. Para a segunda etapa, o Santa Quitéria precisava ser menos afoito na frente do gol. O Bangu precisava agredir a meta adversária.



Na volta do intervalo, a impressão que se teve é que a conversa no vestiário visitante foi mais eficiente. O rubro-negro tentou atacar, e aos 3’ teve sua melhor chance no jogo: cruzamento da direita de Romarinho para Marcelinho que isolou embaixo da trave. Aos 12’, em cobrança de falta, cabeçada pra fora.

Mas esse ímpeto ofensivo era fogo de palha. Aos 19’ lá estava Ricardo pra salvar o chute de Cleiton da entrada da área. Aos 22’, Chuva cobrou falta e Balói cabeceou na trave. Aos 25’, quase um replay: dessa vez Juliano foi quem colocou a bola no poste. O gol do Quitéria estava maduro, mas apodreceu. Depois dos 25’ o time da casa caiu de rendimento. Até o final do jogo a bola rondava a área de Ricardo, mas a bola não ia a sua direção. A torcida ficava impaciente a cada minuto que passava.

O Bangu ainda teve uma chance com Romarinho, aos 45’, mas ele chutou pra fora. Aos visitantes bastou administrar o empate, bom pelas circunstâncias. Já o Quitéria... segue sem vencer na Suburbana 2015. A pressão continua. A torcida pede a cabeça do técnico Leandro Chibior. Só uma vitória irá eliminar a nuvem pesada que paira sobre o Maurício Fruet.


O placar de 0 a 0 manteve o auriverde na penúltima posição com quatro pontos. O rubro-negro caiu para oitavo, agora com seis pontos. Na próxima rodada o Bangu vai encarar o Urano no estádio Manecão. Já o Santa Quitéria terá confronto direto contra o Nova Orleans no José Drulla Sobrinho.

OS ESCRETES

SANTA QUITÉRIA: Jonas; Cleiton (Renan aos 37’ do 2°), Balói, Bruno e Chuva; Edvaldo, Róbson, Juliano e Julianinho (João Victor aos 33’ do 2°); Dedé (Luan aos 19’ do 2°) e Fernandinho.  
Técnico: Leandro Chibior.

BANGU: Ricardo; Eltinho, Elizeu, Babu e William Neguinho; Edmar, Fabinho (Diego aos 53’ do 2°), Paulo (Dino aos 27’ do 2°) e Betinho (Pedro aos 54’ do 2°); Romarinho (Andrei aos 51’ do 2°) e Marcelinho (Luizinho aos 35’ do 2°). Técnico: Jeferson

CARTÕES AMARELOS: Pelo lado do Bangu Elizeu aos 24’ do 2°; Pelo lado do Santa Quitéria Edvaldo aos 12’ do 2° e Balói aos 21’ do 2°.

ARBITRAGEM: Jonathan Henrique Andrade, auxiliado por Luciano Roggenbaum (1) e Tom Gomes Rocha (2).

__________________________________________
É autorizada a livre circulação dos conteúdos desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, 
desde que citada a fonte.