Nacional vence a segunda consecutiva na Taça Paraná e mantém sonho vivo


A primeira partida do 2º turno do Grupo B, entre Nacional e Grêmio Liquigás, no Estádio XV de Agosto, foi bem diferente em relação ao dia do 22 de março, em que o time do Boqueirão levou uma sonora goleada do escrete do Liquigás. As duas equipes praticamente estavam com os mesmos jogadores, mas o que mudou foi a vontade do time do Nacional. Por isso, o 1 a 0 foi o suficiente para matar o Liquigás na partida e ainda manter vivo o sonho da classificação.

Por Rafael Buiar 

O time do Boqueirão iniciou os primeiros minutos com o time todo ofensivo, querendo logo abrir o marcador do Estádio XV de Agosto. Destaque para o setor direito do escrete do Boqueirão, já que por ali saiu as principais jogadas. Mesmo sem a maior posse de bola, a equipe visitante tentou aprontar com duas conclusões do artilheiro do certame, Thiago Camargo, que passaram perto da meta do goleiro Alexandre, em 8’ de bola rolando.

Passados dos 15’, o embate no XV de Agosto caiu de rendimento, já que ficou mais truncado e preso no meio de campo. Desde então, o time visitante acertou o posicionamento no meio de campo. Com essa postura, o time do Grêmio Liquigás perdeu algumas oportunidades de sair na frente no placar. Em uma das jogadas perigosas, Maia fez ligação direta para Thiago Camargo, que não aproveitou a oportunidade, com 21’. Minutos depois, de quase ter levado o gol, o time da casa respondeu a altura e fez a torcida presente comemorar. Em cobrança de escanteio de Juninho, que a bola sobrou para Marquinhos, que saçaricou na frente do marcador e concluiu. Mas Guilherme, o camisa nove do Nacional desviou para o fundo da rede do arqueiro Paulista, que nada pode fazer para evitar o gol, aos 26’.


Com o placar ao seu favor, o time da casa ficou mais soltou e tomou conta do meio do campo. Sendo assim, vários jogadas de ataques do time adversário. Dentre elas, a ótima triangulação do Nacional com Fábio, Diego e conclusão de Juninho, que passou perto do gol de Paulista. Com o desperdício, o técnico Alemão foi a loucura com inúmeras oportunidades jogadas ao ventos. Quem ganhou com isso foi o time de Araucária, que soube aproveitar o lado emocional baixo do adversário. Aos 38’, Rato teve a grande chance de empatar no XV de Agosto, pois o atacante ficou cara a cara com o Alexandre chutou na trave. Mesmo assim, a equipe do Liquigás manteve mais volume. Porém, nenhum lance foi aproveitado para igualar o placar no Boqueirão, que foi 1 a 0, até o apito final do primeiro tempo.

SEGUNDO TEMPO - No reinício do embate, o time do Liquigás voltou melhor. A explicação vem com o primeiro minuto, em que a equipe visitante perdeu ótima oportunidade com Rato. O camisa 9, em ótima posição, não venceu o goleiro Alexandre que protegeu bem e segurou mais uma. Destaque para ótima troca de passes do meio de campo do Liquigás, que acabou com a ligação de Kurimim para o atacante Rato. Na sequência, a equipe da casa respondeu. Juninho, camisa 10 do Nacional, em jogada individual fez barba, cabelo e bigode na zaga adversária e tocou para Diego concluir. O meia foi travado pelo zagueiro, mas no rebote o meia Marquinhos isolou e desperdiçou a chance de ampliar o marcador.


No lance seguinte, o meio de campo do Nacional roubou a bola do Liquigás e desceu em velocidade com Fábio que carregou a bola e na hora da conclusão chutou nas mãos do goleiro Paulista. Mesmo assim, o ritmo da equipe da casa foi mais forte e já superou a pressão da equipe daversária, pois aos 8’ Guilherme desceu no setor direito até a linha de fundo e tocou na medida para Juninho, que perdeu outra jogada de ataque do Nacional. Com mais mobilidade na meia cancha, o time da casa teve o controle do jogo. Mesmo com o placar em 1 a 0, com 15’ da etapa complementar. 

O único problema da equipe do Nacional foi a conclusão, pois foram várias oportunidades claras de gols desperdiçadas. Passados dos 15’, ambos os treinadores resolveram promover alterações nas suas equipes. Enquanto um (Liquigás) quis vencer, o outro (Nacional) procurou segurar o placar. Após as substituições, o time visitante ganhou mais corpo no ataque. Mas as ações ofensivas não assustaram o goleiro Alexandre. Diferente do time da casa, que quando desceu em profundidade assustou o arqueiro Paulista. Sendo assim, os minutos finais foram mais de jogadas de ataque (Liquigás) contra defesa (Nacional), que persistiram até os 50’, quando o árbitro decretou o final da partida.


Xxxxxxxxxxxxxxxxxx A PRÓXIMA RODADA xxxxxxxxxxxxxxxxxxX
A equipe do Nacional irá a cidade de Guarapuava em confronto direto diante a equipe do Danúbio, que também venceu na rodada, daqui duas semanas. Já o time de Araucária tem duelo contra o líder da chave, o Fanático, em Campo Largo. Com a vitória, o time do Nacional sobe para terceira colocação do Grupo B, mas com a mesma pontuação que Danúbio, perde no saldo de gols, e três a menos que o líder Fanático, com nove pontos. O Grêmio Liquigás ficou em situação complicada, já que soma somente três pontos em quatro rodadas. Para sonhar com a classificação, a equipe de Araucária tem que vencer os dois embates e ainda sonhar com a combinação de resultado de seus concorrentes diretos.

Xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx OS ESCRETES xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxX

Nacional: Alexandre; Carlinhos, Luciano, Mateus e Flavinho; Juárez, Marquinhos, Diego (Lucas Nunes) e Juninho (Lucas Matheus); Guilherme (Fonteli) e Fábio. Técnico: Alemão.

Grêmio Liquigás: Paulista; Cascão, Fabiano, Quarenta e Matusalém (Batata); Cabecinha, Kurumim (Lelê), Maia e Evander (Paraná); Rato e Thiago Camargo. Técnico: Sapo.

Gols: Guilherme aos 26 do 1º tempo (Nacional)
__________________________________________
É autorizada a livre circulação dos conteúdos desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso,
desde que citada a fonte.