UNO papa mais uma na 2ª fase


Na primeira rodada da segunda fase da Suburbana 2014, o escrete do Nova Orleans venceu o Vila Hauer, em casa, com tranquilidade. Adversário, que teoricamente é o mais fácil do grupo, conforme a classificação da primeira fase. Mas como sabemos, o futebol é uma caixinha de surpresa. Surpresa essa que não aconteceu no último sábado (18), no Estádio Francisco Muraro, diante o confronto de Trieste e Nova Orleans, pois o bom futebol da equipe do UNO repetiu-se e ajudou a vencer mais uma na competição.

#Suburbana
Por Rafael Buiar

O palco da segunda partida entre Trieste e Nova Orleans esteve com pouco torcedores, mas o que estavam presentes fizeram o seu papel, principalmente a torcida do UNO que agitou na dependência do também conhecido como Trieste Stadium. Assim, com essa força divina, de pensamento positivo, a equipe do Nova Orleans começou melhor a primeira etapa. Sendo que a primeira tentativa do Verdão foi logo aos 3', em uma bola parada. Lance que originou através de uma roubada de bola de Juliano que deu assistência para Igor, que ao dominar já sofreu falta próximo da área. Na cobrança, Juliano titubeou um chute forte no canto esquerdo, mas o arqueiro do Trieste, Bruno, defendeu com competência e aliviou o perigo o gol para o time da colônia.
O lance inflamou a torcida verde e branca e motivou ainda mais o Nova Orleans a ter mais posse de bola até os 10', pois passado o período de adaptação na partida, o Trieste acertou a sua marcação e dificultou a saída de bola do UNO. Desde então, a equipe Triestina não saiu do campo do Nova Orleans. Destaque para a lateral direita, já que duas oportunidades saíram daquele setor, com cruzamentos. Na primeira, o atacante do Trieste não conseguiu encontrar a bola para cabecear e na segunda, em uma ótima pedalada no ar, a bola passou perto com um conclusão de bicicleta do camisa nove do time da colônia, aos 20'.

Até este período, o embate esteve tranquilo. Mas quando trata-se de Suburbana raramente um confronto termina desta maneira. Dito e feito, aos 22' o atacante Éder do Nova Orleans fez falta levou amarelo e na sequência, por reclamação, levou o vermelho. Passadas as mágoas, o jogo reiniciou, com muitos gritos por parte da torcida do UNO. Mas quem disse que um homem a menos em campo prejudicou a equipe visitante, pelo contrário, o Nova Orleans encontrou mais espaços. O principal jogador que apareceu com esses espaços foi Jean, que chutou várias vezes de fora da área provocando perigo para o gol do Bruno.

A essa altura, o escrete do Trieste não conseguiu realizar nenhuma jogada pela lateral, pois o Nova Orleans o envolveu de certa maneira, que todas as jogadas do time da casa teve que ser pelo meio, o que facilitou demais a marcação do UNO. Já nos minutos finais da primeira etapa, a equipe da casa até melhorou seu volume de jogo, mas trocou passes com dificuldades até o término da primeira etapa, com dois minutos a mais e o placar se manteve fechado.
2º TEMPO - A segunda etapa iniciou com mudança na equipe da casa, já que o treinador Gérson do Trieste resolveu mexer as peças, além de ter apenas uma conversa de vestiário. O comandante triestino sacou Tomate e colocou Luís, para ter uma mobilidade maior na equipe da casa. Mas o treinador do Trieste não esperava que no primeiro minuto de bola rolando da etapa complementar, Jhonny fosse expulso, com o segundo amarelo. Sem reclamação, o volante saiu cabisbaixo e inconformado com a situação. A vantagem numérica foi pro espaço, mas o futebol apareceu para o Trieste, que no início do segundo tempo esteve melhor e, consequentemente, com mais volume de jogo. 

O volume de jogo a favor da equipe da casa não durou por muito tempo, já que o meia Tom tom do UNO resolveu ir pra cima da meia cancha do Time da Colônia e deixou na cara do gol o companheiro Juliano, que só teve o prazer de empurrar a bola para o fundo do gol, abrindo o placar no Estádio Francisco Muraro, aos 10' do 2º. O empate do Trieste quase aconteceu no lance seguinte, em jogada ensaiada. Mas o sistema defensivo do time visitante soube resolver a situação e manter o placar ao seu favor.  Porém, quando menos se esperava, a equipe da casa empatou. O gol teve origem de um escanteio da esquerda, que terminou com uma cabeçada de 'raiva', sem chance para o guapo do UNO, que não conseguiu segurar a forte conclusão de Carlinhos aos 17'.
Com o gol de empate e com a equipe da casa melhor, o jogo subiu em relação ao temperamento dos jogadores. Reação que foi mais visível quando TonTon e Gilson foram expulsos após trocarem sutilezas (agressões), com 20' de bola rolando. O árbitro da partida, Rodolpho Toski, não pensou duas vezes e facilitou o jogo para os próximos minutos expulsando os dois. Com isso, o volume de jogo do Trieste caiu, pois Gilson foi um dos jogadores que ajudou na articulação das jogadas. Desta forma, o treinador Gerson resolveu mudar de estratégia e colocou mais um atacante. Alteração que deu resultado, pois na sequência o Trieste colocou uma bola na trave com Xuxu. A entrada de Washington, deu mais mobilidade ao time do Trieste, já que o time da casa aproveitou jogadas em laterais que terminaram em cruzamento para o fixo na área. Mas as conclusões não foram felizes e várias oportunidades foram desperdiçadas, para a tristeza de Gérson.

Nos minutos finais, a força da equipe da casa diminuiu. Fraqueza que foi aproveitada pelo Nova Orleans, que aos 47' em um contra ataque com o atacante Alan, que havia entrado a pouco no lugar de Igor, concluiu, fraco em cima do goleiro, mas o suficiente para a bola entrar e desempatar a partida nos acréscimos. Ainda sim, a equipe visitante quis mais, já que no lance seguinte, com o time da casa desmotivado, Victor na lateral esquerda driblou o zagueiro e só parou dentro da área com falta. Pênalti que Rodolpho Toski assinalou e ainda expulsou mais um. Desta vez, o lateral Marcelo foi para o vestiário mais cedo que seus colegas. Na cobrança, Victor não desperdiçou e deu números finais para o confronto no Francisco Muraro. Nova Orleans 3, Trieste 1.

 
Próxima rodada - Na próxima rodada, o Nova Orleans ira desafiar o Iguaçu, novamente em Santa Felicidade. Confronto que pode definir um dos primeiros classificados para a fase seguinte, já que Iguaçu com sete e Nova Orleans com seis pontos foram os únicos times que pontuaram no Grupo C. O time da Colônia irá buscar a reabilitação em casa diante o Vila Hauer.

FICHA TÉCNICA - Trieste 1 x 3 Nova Orleans

Trieste: Bruno; Marcelinho, Carlinhos, Muriel e Anderson Xuxu; Jhony, Gilson, Tomate (Luiz) e Juliano (Maicon); Alex (Washington)e Jabá. Técnico: Gerson

Nova Orleans: Rogério; Buiu, Dú, Marcio e Vitor; Alex, Tonton e Juliano (Paulinho); Jean (Peteca), Igor (Alan) e Ederson. Técnico: Oliveira

Árbitro: Rodolpho Toski Marques
Assistentes: Sidmar dos Santos Meurer e Leonardo Stephan Neitzke

Cartões amarelos: JhoNny (dois), Marcelinho (dois) (Trieste); Éder e Jean (Nova Orleans).
Cartões vermelhos: Jhony, Marcelinho e Gilson (Trieste); Ederson e Tonton (Nova Orleans).

Gols: Juliano, aos 10’ do 2º tempo; Carlinhos, aos 17’ do 2º tempo; Alan, aos 45' do 2º tempo e Vitor, aos 49' do 2º tempo.


Torcedor, apoie o time do seu bairro! Vá à um estádio da Suburbana.
__________________________________________
É autorizada a livre circulação dos conteúdos desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso,
desde que citada a fonte.