Reno e Trieste ficam no 1 a 1


Em jogo bastante movimentado e com várias polêmicas, Renovicente e Trieste empataram em 1 a 1, no Estádio Solar do Bosque, na sexta rodada da Suburbana 2014. O time do Santa Cândida teve mais lances perigosos, principalmente dos pés de Felipe Caron. Mas o Trieste, que soube se defender e atacar no momento certo, aproveitou as poucas oportunidades, e com o volume de jogo maior, segurou o placar.

#SUBURBANA
Por Rafael Buiar

O jogo da vida para o Renovicente, segundo o treinador Rossano em sua preleção, iniciou atrasado. Talvez devido ao mau tempo que ocorria no Estádio Solar do Bosque, no bairro Santa Cândida. Com bola rolando, o time visitante foi quem tomou as primeiras iniciativas e o Reno já procurava os contra ataques para sair em vantagem. Passados cinco minutos, o time da casa se encontrou e começou a organizar melhor as jogadas no meio de campo, mas com muitas dificuldades de encontrar um buraco na zaga do adversário. Mesmo assim, o Trieste foi mais perigoso nas finalizações.

Foto: Do Rico ao Pobre
Ainda nos primeiros minutos, o árbitro Rodolpho Toski Marques expulsou o atleta Magno, do banco de reservas do Renovicente, por uma simples reclamação. A partir deste fato, o time e a torcida da casa começaram a pressionar ainda mais o árbitro. Passado esse lance inusitado, o Reno postado melhor em campo, se encontrou na partida. Uma jogada do meio para a esquerda, de Felipe Caron para João Paulo, quase abriu o placar no Solar do Bosque aos 13’. Perigo que animou e encorajou ainda mais o time da casa, pois ao 17’ ocorreu outra finalização assustando o goleiro Dida, do Trieste. Com o Reno procurando cada vez mais o gol, o time visitante, aos cuidados do treinador Claudio Marques, arriscou com jogadas de velocidade, mas oscilando entre atacar e defender. As principais jogadas de ataque do time da colônia foram pelas laterais, principalmente com o lateral Marcelo, que abusou de seus dribles pra cima de seus marcadores. Aos 20’, o Renovicente atacou duas vezes com perigo. Destaque para o goleiro Dida que fez duas ótimas defesas para manter o placar empatado.

Na metade do primeiro tempo, a chuva, fininha desde o começo do embate, engrossou e o time visitante soube tirar vantagem desse obstáculo, passando a ter maior volume de jogo neste período. A chuva mais grossa dificultou ainda mais as jogadas do Renovicente, mas mesmo assim conseguiu alguns contra ataques que assustaram o sistema defensivo do time visitante. Mas o volume de jogo do Trieste e os contra ataques do Reno frearam porque a situação do campo não permitia jogadas de passes curtos. Com isso, as faltas tomaram conta deste período do embate, deixando o confronto preso e amarrado no meio de campo. Nos minutos finais, as oportunidades passaram a ser os chutes de longa distância, já que a marcação na retaguarda de ambos os times estavam fortes. Destaque para o chute de João Paulo aos 38’, em que Dida fez uma defesa estranha, aliviando o time da colônia italiana. Minutos depois, o árbitro encerrou o primeiro tempo com o placar de 0 a 0.

Foto: Do Rico ao Pobre
A segunda etapa começou da mesma forma que a primeira, com o Trieste atacando. A primeira oportunidade do time de Santa Felicidade foi logo no primeiro minuto pelo lado esquerdo. O jogo persistiu em jogadas duras, divididas na maioria lances legais, porém, em uma delas, um choque de cabeças entre jogadores das duas equipes parou o jogo por alguns minutos. Pior para o Bruno do Trieste que teve que sair do Solar do Bosque com a ambulância, aos 3’ da etapa complementar. Depois do susto e preocupação dos envolvidos, a ‘pelega’ reiniciou e, aos 10’, o Reno teve ótima jogada. Iniciado no sistema defensivo, com troca de passes, o lance terminou com a conclusão de Alan Diego, quase abrindo o placar. Minutos depois, ocorreu a terceira lesão do jogo e a segunda do time da casa, que foi obrigado a fazer a novamente substituição. No troca-troca do Reno, saiu Raul e entrou Marcelo aos 15’. Foi justamente neste período que o time da casa caiu de produção e, consequentemente, o Trieste melhorou, mesmo com Claudio Marques furioso com seu time em campo.

O comandante do time da colônia ficou ainda mais furioso quando o camisa 10, Maincon, que, sozinho, perdeu uma ótima oportunidade de abrir o placar. Destaque para a frieza do goleiro Artur do Reno que soube ter paciência para dar o bote no momento certo e segurar a bola. Após o gol perdido, o time casa acordou e melhorou, pois foram três ataques desperdiçados pelo Reno. Destaque para o lance de Felipe Caron aos 18’, em que o camisa 10 driblou com o corpo e cruzou na área, mas sem sucesso de Alan Diego que não conseguiu chegar na bola a tempo. Neste momento da partida, o jogo ficou movimentado. O Reno atacando na maior parte do tempo e consequentemente sofrendo contra ataque, já que ficou exposto. Aos 30’, mais uma baixa do time da casa, saiu o destaque do time, o principal articulador do Reno, Felipe Caron. Saindo lesionado, no seu lugar entrou Gabriel Mendes. No outro lado, saiu William e entrou Julianinho. A troca surtiu efeito pelo lado do Trieste, pois minutos depois o camisa 10 do time visitante sofreu falta dentro da área pelo goleiro Artur, que chegou atrasado. Após muita reclamação por partes dos jogadores do Reno, o pênalti foi cobrado e convertido aos 31’ por Julianinho, camisa 18.  

Foto: Do Rico ao Pobre
Após o gol do Trieste, o lance seguinte foi do Reno que foi pra cima do time de Santa Felicidade. Falta próxima da área cobrada na cabeça de João Paulo que acertou o canto do gol, mas o goleiro Dida espalmou para escanteio. Na sequência, “confusão” na área e o árbitro assinalou pênalti, para fúria dos jogadores do Trieste. O atacante João Paulo cobrou e converteu empatando aos 37’.  Mesmo com o baque, o Trieste foi pra cima, buscar o resultado. Em uma falta na lateral Artur faz uma excelente defesa, mantendo o placar em 1 a 1. Próximo do fim, aos 45’, com o jogo pegado, ocorreram inúmeras reclamações. Dentre as discussões, destaque para a do atacante do Reno, Alan Diego, com o zagueiro do Trieste. O camisa nove do time do Santa Cândida acabou levando a pior, pois o levou o cartão vermelho. O segundo do Renovicente na partida. A partir desse fato, as alternativas foram os chutes de longa distância até os 49’, já que as duas equipes demonstravam que o empate estava de bom tamanho. Final de jogo, Renovicente 1 e Trieste 1.



Próximos jogos
O empate ainda deixou o time do Santa Cândida na liderança do certame, que na próxima rodada enfrenta o vice líder da competição, o Iguaçu, em Santa Felicidade. Do outro lado, o Trieste saiu da zona do rebaixamento, com quatro pontos e agora está na 10ª colocação. O atual campeão irá enfrentar o time do Uberlândia, em casa no Francisco Muraro.


_________________________________________________

FICHA TÉCNICA - Renovicente 1 x 1 Trieste
Renovicente: Artur; Pequeno, Leandro, Dudu e Raul(Paulo); Dalton (Assunção), Zella, William e Felipe Caron (Gabriel Mendes); Alan Diego e João Paulo. Treinador: Rossano

Trieste: Dida; Marcelo, Muriel, Carlinhos e Lima; Bruno (Anderson), Jhonny, Tomate e Maincon; Juninho (Julianinho) e William. Treinador: Claudio Marques

Árbitro: Rodolpho Toski Marques
Assistentes: Sandra Maria Dawies e Felipe Pesaroglo
Gols: Julianinho aos 31'(Trieste) e aos 37', João Paulo (Renovicente);
Cartão Vermelho: Magno e Alan Diego (Renovicente).
__________________________________________
É autorizada a livre circulação dos conteúdos desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso,
desde que citada a fonte.