Os 8 melhores fatos do Paranaense 2014


Passado mais de um mês da inesquecível final entre Londrina e Maringá, o Campeonato Paranaense de 2014 deixa saudades para os amantes do futebol paranaense, já que o Brasileirão não vem animando os torcedores do Trio de Ferro com a má campanha dos times. Devido a isso, o Do Rico ao Pobre selecionou alguns fatos do estadual deste ano para você relembrar e guardar na memória os grandes momentos da 100ª edição do Paranaense.


O 100º capítulo do Campeonato Paranaense foi diferente das outras edições, não por que um time do interior foi campeão, mas talvez pelos momentos ocorridos nessa edição histórica. Além de a região norte do Paraná estar em festa, os amantes do futebol paranaense também saíram ganhando e comemorando com um certame ímpar. Talvez o 100 seja o fato marcante, mas se ver da primeira a centésima edição você com certeza irá apreciar melhor a última, já que o último capítulo sempre é o melhor. Confira os 8 melhores fatos do Paranaense 2014:
 
Edição: Do Rico ao Pobre
1 – A ausência do Trio de Ferro nas finais: A precoce eliminação do Paraná Clube e as eliminações nas semifinais da dupla Atletiba foram marcantes nesta temporada, em relação aos últimos Campeonatos Paranaenses. Agora, analisando os três times da capital não é nenhuma novidade, pois o Paraná Clube viveu em uma constante oscilação sob o contestado Milton Mendes. O Atlético, por birra ou não, foi representado pelo time alternativo mais uma vez, composto na maioria por garotos de 23 anos, e não teve forças para vencer o Londrina no Estádio do Café. Diferente disso, o time alviverde, que esteve com força máxima depois da quinta rodada, buscava marcar história na 100ª edição. Porém, o salto alto e falta de qualidade foram os principais fatores para ser surpreendido e não vencer nenhuma vez o time da Cidade Canção no campeonato, que foi o seu algoz no primeiro semestre.

Rodolfo Bührer e Daniel Castellano / Gazeta do Povo
2 – A Revelação do Campeonato: A ótima campanha do time do Maringá, que conquistou uma vaga na Série D, teve sucesso com um ótimo plantel, que apostou em um time barato e ao mesmo tempo na sorte. Com isso, o principal destaque do time não foi o meia Max e nem os atacantes Cristiano e Gabriel Barcos. A principal revelação foi um lateral direito, Reginaldo. Baiano de 21 anos mostrou muita força física e velocidade durante toda a competição e teve ótimas atuações nas vitórias dos maringaenses, principalmente, no jogo de ida da semifinal contra o Coritiba, em que deu uma assistência para Max fazer o primeiro gol da vitória por 2 a 1. As ótimas apresentações renderam um contrato com o Coritiba para o Campeonato Brasileiro deste ano. Além disso, o já conhecido dos Paranaenses, Arthur, atacante do Londrina e Marcos Guilherme, meia do Atlético também foram destaques no certame desta ano.

Ivan Amorim - Gazeta do Povo
3 – O golaço: O êxtase do futebol é fazer gols, isso todo mundo sabe. Não importa se ele é feio, de bico e de tantos outros adjetivos pejorativos. Agora, se o gol for um golaço. Como é que fica? Bom, definições a partes, o Do Rico ao Pobre apreciou inúmeros gols do Paranaense 2014 e escolheu o gol mais bonito da competição. A pintura mágica aconteceu no jogo da finalíssima do certame, em que Maicon Silva, livre, arrancou pelo meio, invadiu a área driblando a marcação e chutou forte com categoria e rasteiro, fazendo o primeiro do jogo. Coincidência ou não, dias antes o lateral marcou outro gol e garantiu a classificação para a próxima fase na Copa do Brasil, diante o Criciúma. Pois é, a semana foi iluminada para Maicon Silva. Além disso, o Paranaense 2014 teve outras pinturas, mas não tão significativa quanto a do lateral do Tubarão. Assista o gol (vídeo)

Foto: Felipe Rosa - Gazeta do Povo 
4 – O artilheiro: Mesmo não ficando com o titulo de campeão Paranaense de 2014, a equipe do Maringá teve o artilheiro da competição. O camisa 9, Cristiano, marcou seu décimo gol na finalíssima, ultrapassando Giancarlo, do Paraná Clube, e terminou o certame como artilheiro isolado da competição, com 10 gols. Mesmo sendo marcado com o erro da última cobrança nas penalidades, o atacante fez um balanço positivo por ter terminado como principal goleador do Paranaense. A artilharia foi fruto de um time bem ofensivo do treinador Claudemir Sturion. Desta forma, a equipe maringaense possuiu o melhor ataque do torneio. Ao todo, foram 29 gols durante todo o estadual. Ano passado, na disputa da Série Prata do Estadual, o atacante já mostrou ter faro de artilheiro, já que com 12 gols, ele foi o artilheiro da segunda divisão do Paranaense.

Felipe Rosa - Gazeta do Povo
5 – A muralha: Sabemos que o todo campeonato tem aquele 'matador' e também ‘A muralha’. No Paranaense 2014 a escolha não poderia ser diferente, pois Vitor do Londrina foi determinante para a conquista do título do Tubarão, principalmente, naquela tarde de 13 de abril, em que o time do LEC venceu o Maringá e levou o Campeonato Paranaense 2014. Na última partida do certame, coube ao goleiro fazer grandes defesas durante a partida e defender o terceiro pênalti do Maringá, cobrado pelo atacante Fábio Martins, que entrou no final do embate. Destaque para a vibração durante os 90 minutos, em que cobrou raça de seus companheiros. A conquista do arqueiro carioca foi marcante também, pois foi o seu primeiro título.

Foto: Reprodução RPCTV
6 – As decepções: Depois de ótimas campanhas do Leão do Vale do Ivaí em campeonatos anteriores, a equipe do noroeste do Estado não repetiu o bom desempenho e novamente brigou na parte de baixo da tabela. Porém, o ano de 2014 não terminou como das outras vezes. Em uma primeira fase de altos e baixos, o Cianorte ficou na nona colocação quase se classificando para a segunda fase. Colocação que gerou desanimo no time para a disputa do torneio da morte, pois só isso explica a péssima campanha no quadrangular de descenso. Já o Toledo, em escala menor, não fez uma boa campanha na primeira fase e fixou-se na última colocação desde as primeiras rodadas. No quadrangular até deu uma respirada, mas o Fantasma, que quase entrou nessa barca, assustou o Porco e derrubou a equipe do oeste do Estado. A queda do TCW foi um certo alívio para alguns times que tem pouco dinheiro para viajar, já que o caminho para a cidade de Toledo era o mais longo da elite do paranaense.

Foto: Folha de Cianorte
7 – O interior: Depois de 22 anos, a equipe do Londrina ergueu a taça de Campeão Paranaense novamente. Mas a última vez que isto aconteceu foi em 2007, com a emblemática vitória do Paranavaí sobre o Paraná Clube. Mas duas equipes do interior brigando pelo título foi em 1992 entre Londrina e União Bandeirantes. Naquela oportunidade, o Tubarão também ergueu a taça e fez muita festa na pequena Londres. Assim, o verdadeiro destaque, além do título, foi o renascimento de uma paixão que esteve guardada na estante da casa do povo londrinense, que aos poucos viram o time se afundar e a paixão ficando de lado com as más campanhas. Devido a isso, a ótima estrutura que o Londrina Esporte Clube vem apresentando junto a sua tradição, fizeram a torcida local comprar a ideia e acreditar no time até o final. Além disso, o destaque também fica para os torcedores do Maringá, que representaram bom público em quase todos os jogos no Estádio Wille Davis, em Maringá.

Foto: Divulgação
8 – O confronto histórico: Além da 100ª edição do Paranaense ser histórica, o certame deste ano proporcionou um encontro histórico entre Coritiba e Rio Branco. As duas equipes centenárias jogaram a primeira edição do Paranaense, em 1915. Confronto que foi a estreia das equipes naquele campeonato, que terminou empatado em 1 a 1. Desta maneira, a Federação Paranaense de Futebol [FPF] celebrou e promoveu uma ação diferente para a duas equipes. A ação foi lembrada carinhosamente com escudos “retrôs” nas camisas de ambos os times. A partida comemorativa de 2014 terminou em 2 a 0 para o Coritiba, com dois do angolano Geraldo.

Foto:  Divulgação - site do Coritiba

#PÁGINA ANTERIOR
__________________________________________
É autorizada a livre circulação dos conteúdos desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso,
desde que citada a fonte.