PROPAGANDA

São Joseense tem 2017 mágico coroado com o título da Terceirona Paranaense



Apenas no seu segundo ano de profissionalismo, o Independente São Joseense conseguiu dar os primeiros grandes passos para se estabelecer dentro do cenário futebolístico paranaense. Com uma campanha praticamente perfeita na Terceirona, que culminou com o acesso e o título, a equipe da Região Metropolitana abre as asas para sonhar ainda mais alto

#RETROSPECTIVA2017

Pense que você é o encarregado de criar uma nova equipe em uma cidade grande do estado e que não possui um clube no cenário profissional a mais de dez anos. Você começa a planejar seus sonhos e pensar como alcançará sucesso e trará a população para o seu lado. Essa foi a situação que se encontrou o Independente São Joseense no ano de 2016, temporada em que estreou no futebol profissional. Na ocasião, uma terceira colocação na Terceirona, que deixou aquele gostinho de “poderia ter sido melhor” na garganta de quem acompanhava o Tricolor.

Veio 2017 e um pouco mais de maturidade foi adicionada ao escrete de São José dos Pinhais. Fortalecimento das categorias de base, que junto com o Trio de Ferro, GRECAL e Grêmio Maringá, foi a única que atuou em todos estaduais promovidos pela FPF, além de jogar outros torneios organizados por organizações paralelas. Nos campos profissionais, o planejamento foi bem feito e o trabalho começou bem quatro meses antes da estreia na Terceirona.

Neste tempo em que esteve em preparação, muitos atletas desembarcaram na cidade do aeroporto e novidades chegaram ao clube, como a reinauguração do Estádio do Pinhão, que, com gramado sintético e uma qualidade bem melhor que o Moacir Tomelin, seria a casa do São Joseense. O certame teve seu início atrasado por conta de imbróglios judiciais, mas nas redes sociais o time se mostrava muito ansioso pelo início da competição, com conteúdos e artes bem acima que seus adversários, mostrando que o profissionalismo também viria de setores que as vezes acabam ficando esquecidos.


Dentro de campo o resultado não podia ser diferente. O início do campeonato com a goleada por 6 a 0 em cima do União Nova Fátima era só o pontapé daquele que viria a ser o melhor time da competição. Liderado por jogadores experientes, como o volante Camargo e o atacante Robinho, além de gratas surpresas, como o camisa 10 Lucy e Evertinho, o escrete da Região Metropolitana de Curitiba chegou ao final da primeira fase com 18 pontos ganhos, sendo cinco vitórias e três empates.

No mata-mata foi a hora do Tricolor mostrar todo seu poder e como seu ótimo planejamento lhe renderia bons frutos. Sem tomar muitos sustos, venceu por duas vezes o Batel nas semifinais, garantindo o acesso a Segundona, e nas finais duas vitórias por placares mínimos diante o REC para levar o troféu. Nestes quatro últimos jogos, a estrela ficou para o goleiro Juninho, que pegou muito e só tomou um gol (de pênalti). Ao todo, foram seis gols feitos e um sofrido em quatro partidas. Tudo isto para mostrar que o caneco estava em boas mãos!


Agora, com a primeira parte do sonho alcançada, chegou a hora de alçar voos maiores. E a inspiração pode vir de quem levantou o troféu um ano antes. O União de Francisco Beltrão, que também fez um ótimo planejamento nas duas últimas temporadas, chegou a primeira divisão no ano seguinte que venceu a Terceirona. E pelos bons trilhos que a equipe de São José encaminhou, não há do que se duvidar. Além de poder disputar uma vaga na primeira divisão, uma eventual manutenção do Tricolor na Divisão de Acesso poderia garantir sua vaga na Taça FPF, que vale vaga à Série D, trazendo ambições ainda maiores ao time da Região Metropolitana. 

O escrete tricolor já tem data e local para começar a rumar o seu novo sonho. Dia 11 de fevereiro, às 16h30, no Estádio Olímpico de Cascavel, contra o Cascavel CR. A expectativa da torcida são joseense é que no oeste do estado comece a rota para uma nova temporada perfeita e com mais um degrau alcançado ao final. 
__________________________________________
DO RICO AO POBRE, O FUTEBOL SEM DIVISÃO

Powered by Blogger.