PROPAGANDA

Após vencer estadual, Coritiba cai de rendimento e termina o ano lamentando a queda à Série B


O ano do Coritiba foi frustrante. Após vencer o Campeonato Paranaense, o alviverde foi eliminado no início da Copa do Brasil e, mesmo tendo apenas o Brasileirão em disputa, teve um desempenho muito ruim que culminou com o rebaixamento à Série B na última rodada - a terceira queda em 12 anos -, o que mostra que 2018 terá de ser um momento de reconstrução.


#RETROSPECTIVA 2017

Já nas primeiras semanas do ano, os coxas-brancas se surpreenderam com os rumores relacionados a convites para jogadores como Kaká e Ronaldinho Gaúcho. CApesar do sufoco para passar pela 1ª fase da Copa do Brasil, a equipe alviverde segurou o tranco até a fase seguinte, mas foi eliminada em casa pelo Asa de Arapiraca.

O título Paranaense deu esperança de um bom ano para o Alto da Glória, mas, tudo foi por água abaixo (Foto: Gil Pereira/Do Rico ao Pobre)
No Brasileirão o Coxa variava pouco a posição, conseguindo se garantir no campeonato com apenas uma derrota até a 8ª rodada. No entanto, antes mesmo do início do segundo semestre de 2017 (9ª e 10ª rodadas), o alviverde perdeu de dois a zero para Grêmio e Cruzeiro, respectivamente. O desempenho iniciou uma queda que resultaria no já conhecido fim.

A partir de 1º de julho, data que comportou a 11ª rodada, o Coxa foi colecionando derrotas até o fim do campeonato. Com o desfalque do goleador Kleber, que ficou 11 rodadas sem entrar em campo após ser suspenso  pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), a situação só piorou.

O número de partidas perdidas (17) foi muito maior do que a quantidade de vitórias (11) e empates (10), uma conta que poderia ter fechado diferente, caso o alviverde tivesse vencido a Chapecoense na última rodada do Brasileirão.

Pelo que se via nos estádios, o goleiro Wilson foi um dos poucos que manteve nos torcedores  a esperança de permanecer na primeira divisão. Aparentemente a comissão técnica concordava, afinal, o camisa 84 foi o único jogador que participou de todas as 57 partidas disputadas pela equipe, o recordista deste ano.


Ao fim de setembro, a equipe, que já havia perdido metade das cobranças e ouvido muitas reclamações da torcida, descobriu sua arma secreta ao convocar Wilson para a linha do pênalti. Na primeira chance que teve, o goleiro coxa-branca mostrou que entende de gol, independente de qual lado dele esteja. Na próxima chance, quem clamou pelo arqueiro foi própria torcida que, novamente, não se decepcionou.

A desorganização na diretoria coxa-branca era visível também nos gramados. Com dívidas acumuladas e poucas possibilidades dentro de campo, a equipe do Coritiba passou pelas mãos de três técnicos em 2017: Paulo Cesar Carpegiani, Pachequinho e Marcelo Oliveira.

A promessa de mudança ficou com a chapa Coritiba do Futuro, que venceu a eleição para assumir o comando do time. Samir Namur, o novo presidente, que levanta a bandeira de união e diálogo para a próxima temporada, busca reestruturar a equipe dentro e fora de campo para garantir o acesso à série A de 2019.
__________________________________________
DO RICO AO POBRE, O FUTEBOL SEM DIVISÃO
Tecnologia do Blogger.